PESQUISAR NESTE BLOG:

domingo, 13 de setembro de 2009

Artur Vaz - Resenha biográfica

A Direcção da Ecos D'Art teve a amabilidade de me enviar uma breve resenha sobre o escritor e jornalista Artur Vaz, presidente da associação desde a sua fundação, bem como, uma foto de um quadro da autoria da pintora Marina Fátima (vice-presidente da direcção) retratando o Artur Vaz. Aqui deixo os meus agradecimentos.



Jornalista e escritor, Artur Tavares de Oliveira Vaz nasce em Lisboa em 1952. De tenra idade veio para Almada, onde criou profundas raízes. É autor de vários textos de divulgação e crítica publicados em diversos periódicos. Em 1989 participa nas I Jornadas de Estudos Sobre o Concelho de Almada, com a comunicação intitulada “O Liberalismo – Sua Adesão e Resistência Popular” e em 1991 estende a sua actividade à rádio, sendo autor de vários programas de âmbito histórico-local na então Rede A Rádio Almada, merecendo largos elogios pela intervenção didáctica que teve junto das escolas, por divulgar casos e factos de Almada. Defensor de uma informação regional viva e activa, participa em 1992 no 1.º Congresso de Comunicação Social do Distrito de Setúbal, onde marca posição de destaque, face à sua experiente ligação com a comunicação social escrita e falada. Fundador da SCALA – Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada, está representado na SPA – Sociedade Portuguesa de Autores e é membro da APE – Associação Portuguesa de Escritores. Em 1996 é novamente convidado a participar nas II Jornadas de Estudos Sobre o Concelho de Almada, onde apresenta uma curiosa comunicação sobre o pintor seiscentista Domingos Vieira “o Escuro”, artista vinculado a Almada.

Vencedor em 2002 do Prémio Ensaio LASA no 4.º Concurso Literário Internacional Manuel Maria Barbosa du Bocage, com um ensaio biográfico sobre o maior poeta do nosso romantismo. Em 2003 é distinguido, por unanimidade da vereação do município de Almada, com a Medalha de Prata de Mérito Cultural, pelo valioso contributo prestado à cultura como ensaísta. No ano de 2004 funda, no concelho de Sesimbra, a ECOSD’ART – Associação Cultural, sendo eleito presidente da Direcção nos biénios de 2004 – 2005; 2006 – 2007 e 2008 – 2009. Defensor dos ideais do movimento rotário, Artur Vaz aceitou o convite para integrar o Rotary Club de Azeitão, sendo eleito secretário para o ano de 2009-2010.

Referenciado nas antologias: Literatura Actual de Almada (1998), 100 Anos Federico García Lorca – Homenagem dos Poetas Portugueses (1998), Antologia da Poesia Erótica (1999), Abril Depois de Abril – Poemas (2001), O Sonho de Paz na Rua dos Poetas (2003), Almad’Abril (2004), Gente de Letras Com Vínculo a Almada – Bio-Bibliografias (2005), In Memoriam Natália Correia (2006), Alma(Da) Nossa Terra - Antologia de Poetas Almadenses (2006), Index Poesis – Colectânea de Poesia (2006), 25 Olhares de Abril (2008) e Almad’Abril II (2009).

A sua obra é constituída pelos seguintes títulos: Poemas 1.ª edição (1976), – 2.ª edição Ilustrada (1994), Almada-Lugar de Oiro (1983), Almada – Apontamentos para a sua monografia (1989), Monumentos de Almada – Inventário 1.ª edição (1986), – 2.ª edição revista e aumentada (1989), Cova da Piedade e os seus monumentos (1988), Os Vinhos da outra Banda (1992), O liberalismo – sua adesão e resistência popular (1993), São Lourenço de Brindes – Um vulto Vinculado a Almada (1994), Subsídios do Associativismo Almadense – Breve Panorâmica Biográfica (1995), Bulhão Pato – Esboço Bio-Bibliográfico (1996), Reflexões sobre a Igreja de Nª Sª da Assumpção, dita de Santa Maria do Castelo (1997), Domingos Vieira “O Escuro” 1.ª edição (1996), – 2.ª edição revista e aumentada (1999), Bilhetes Postais-Crónicas 1991 – 1996 (1999), Amália Rodrigues – A rainha e a deusa do Fado (1999), António Henriques 1915 – 1992 Subsídios para uma biografia 1.ª edição (2000), – 2.ª edição evocativa do seu 85º Aniversário (2001), Mário Soares – A Coerência e Determinação de um obreiro da Liberdade e da Democracia em Portugal (2001), Almada Gente Nossa – Entrevistas (2001), Calamento de Romeu Correia: uma abordagem crítica (2002), Bocage – Elmano Sadino, Breve perfil biográfico (2002), Trilhos de Poesia (2003), Natália Correia – Escritora do Amor e da Liberdade (2003), A Casa das Palavras – Crónicas (2004), Cantinhos e Memórias do Concelho de Almada (2005), Almada Gente Nossa – Entrevistas Volume II (2007) e Tributos – poemas (2009).

Está em preparação para ser editada no ano de 2010 uma biografia sobre ÁLVARO VALENTE, primeiro comandante dos Bombeiros Voluntários do Montijo e fundador da Liga dos Bombeiros Portugueses

1 comentário:

Valentim disse...

Atendendo às escassas habilitações literárias do Artur Vaz ele é um homem com muito valôr ao nivel de um António Aleixo de um Luis de Camões ou de um Fernando Pessoa bem merecedor de um prémio Nóbel da literatura tendo começado a trabalhar muito novinho vindo para a grande cidade no entanto cedo demonstrou ter grande sensibilidade para a poesia.